Picos(PI), 02 de Julho de 2022
Picos(PI), 02 de Julho de 2022

Saúde
...
Entre o tudo e o nada das emoções: entenda o transtorno de personalidade borderline
Postado em 16/05/2022 por Redação
Especialista explica como é o tratamento e como o problema pode ser confundido com outros transtornos, dificultando o diagnóstico.
Tamanho da fonte A A
O transtorno de personalidade borderline
Foto: Reprodução

Viver constantemente em uma montanha-russa de sentimentos, é desta forma instável que o transtorno de personalidade borderline é caracterizado. O termo, que na tradução do inglês significa algo como fronteiriço ou linha de fronteira, pode ser substituído por limítrofe, que, neste contexto, também partilha do mesmo significado: uma linha tênue entre o tudo e o nada.

Segundo o psiquiatra Rodrigo Martins Leite, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, o transtorno está relacionado aos chamados núcleos de impulsividade, de comportamento exagerado e de instabilidade nas relações, e costuma se manifestar entre o final da adolescência e o início da idade adulta.

“[Pacientes com borderline] são pessoas que têm muita dificuldade de manter relações estáveis ao longo da vida, passam por muitas rupturas e podem ter um risco maior de tentativa de suicídio. O transtorno borderline é um padrão mantido ao longo do tempo, não flutua, então há uma dificuldade de interação interpessoal e social muito marcada”, explica.

Segundo o Manual MSD, também há uma tendência a atos autodestrutivos, o que faz com que o risco de suicídio entre pacientes com borderline seja 40 vezes maior em comparação com a população geral, sendo que entre 8% e 10% deles morrem por suicídio. 

Diagnóstico

Apesar de o borderline apresentar características marcantes, o diagnóstico não é simples e pode ser confundido com outros transtornos, como o de bipolaridade, por exemplo. Para ser diagnosticado, o paciente é analisado por sua história clínica e de vida desde a infância.

“Sabemos que o transtorno tem uma associação grande com eventos na infância, experiências de abuso, não só sexual, mas emocional, e várias negligências, além de padrões de relacionamento difícil com os pais. Então, em geral, o transtorno emerge desse cenário de infância mais instável e com mais dificuldades. Fazemos o diagnóstico pela anamnese [lembrança] da pessoa”, explica o psiquiatra.

Apesar de terem traços semelhantes, o transtorno de personalidade borderline e o de bipolaridade se diferem em aspectos de tempo, conforme destaca o especialista.

O transtorno borderline é caracterizado por uma instabilidade crônica ao longo da vida, principalmente diante de frustrações, já o de bipolaridade tem fases bem marcadas de mania, hipomania e depressão.

“Essa hipersensibilidade à frustração é uma marca bem importante da personalidade borderline. Mas, na prática, não é tão simples diferenciar, até porque as duas condições podem aparecer juntas no mesmo indivíduo, e às vezes é difícil caracterizar pelo exame psíquico se estamos diante de uma fase de um transtorno bipolar ou se é a oscilação de uma personalidade instável”, afirma o especialista.

Além disso, o paciente com borderline pode sofrer também com outros transtornos, como depressão e ansiedade, ou mesmo enfrentar problemas de dependência química.

Em alguns casos, a dificuldade de interação social pode ser tão intensa ao ponto de impactar, também, a relação médico e paciente, dificultando ainda mais a identificação do problema. 

“Em geral, as pessoas passam por vários profissionais até chegarem a um diagnóstico. Outro problema é que, muitas vezes, o especialista acaba não verbalizando isso ao paciente, porque de certa forma é como dizer que a personalidade da pessoa é que tem um transtorno, e muitas vezes ela enxerga as atitudes dela como algo natural ou compreensível diante do que ela sofre, mas não tem a crítica de perceber que a forma como reage e se relaciona é que é o problema”, ressalta o psiquiatra.

Tratamento

O tratamento para o transtorno de personalidade borderline é, essencialmente, farmacológico e não farmacológico, segundo o especialista. Os medicamentos são usados para controlar, em certa medida, a impulsividade ou para tratar os outros transtornos que podem estar associados, como depressão e ansiedade.

Ainda assim, o psiquiatra destaca que a psicoterapia é a principal aliada da pessoa com borderline. Neste caso, o tratamento é de longo prazo e busca uma autorreflexão do paciente.

“É uma psicoterapia difícil, porque a pessoa tem que compreender as consequências dos seus atos, entender quanto do comportamento dela gera as dificuldades que ela tem, que, em geral, são percebidas só como [dificuldades] fora da pessoa. O cerne é uma psicoterapia robusta, com a medicação atuando de uma forma mais satélite”, afirma Leite.

Vale destacar que o diagnóstico do transtorno deve ser feito por um profissional de saúde especializado, assim como o tratamento.

Fonte: R7

Comentários

Nenhum comentario realizado para esta materia
Não foi localizado registro para esta categoria!
 
  • Diretor Proprietário
    Edson de Sousa Costa
  • Repórteres
    Edson Costa
    Paula Monise
  • Revisão
    Equipe
  • Departamento Comercial
    Edson Costa
  • Folhaatual.com.br - Rua Coelho Rodrigues, 403 - 2º Andar - Centro - Picos - Piauí - Fone: (89) 3422-6652
  • Diretor Proprietário
    Edson de Sousa Costa
  • Repórteres
    Edson Costa
    Paula Monise
  • Revisão
    Equipe
  • Departamento Comercial
    Edson Costa
  • Folhaatual.com.br - Rua Coelho Rodrigues, 403 - 2º Andar - Centro - Picos - Piauí - Fone: (89) 3422-6652