Picos(PI), 08 de Dezembro de 2019
Picos(PI), 08 de Dezembro de 2019

Municípios
::::
Audiência Pública realizada em Marcolândia discute problemática do fechamento de casas de farinha
Postado em 28/09/2019 por Edson Costa
Evento foi realizado no plenário da Câmara Municipal de Vereadores.
Tamanho da fonte A A
Autoridades participaram do evento
Foto: Edson Costa

 

O município de Marcolândia vive um momento bastante preocupante de sua história, onde sua maior fonte de renda, que é a cadeia produtiva da mandiocultura, está paralisada por conta de uma autorização judicial. Através de uma recomendação do Ministério Público do Trabalho e do Ministério da Economia, que apresentaram como justificativas condições insuficientes de trabalho, as casas de farinha do município de Marcolândia e de alguns distritos dos estados do Pernambuco e Ceará estão interditadas para o funcionamento.

CONFIRA AS IMAGENS!

Em razão deste problema que preocupada toda sociedade, a Assembleia Legislativa do Piauí, por meio de uma proposta do deputado estadual Francisco Limma, realizou neste sábado, 27 de setembro, uma Audiência Pública para tratar sobre o assunto.

Durante o encontro estiveram representantes políticos estaduais dos três estados já citados, produtores de mandiocas, proprietários de casas de farinha, vereadores, representantes de associações e entidades, população marcolandense e de cidades vizinhas, representantes da Igreja Católica e Evangélicas, e muitos comerciantes que durante a audiência fecharam suas empresas como forma de apoio aos manifestantes.

Produtores e trabalhadores da cadeia produtiva fizeram uso da palavra, ocasião em que manifestaram a preocupação de não poder mais trabalhar com a mandiocultura. Em entrevista a nossa reportagem os proprietários de casas de farinha Aluísio Silva (Pirão), Leomar Reis e Lucas Lima expressaram a situação difícil que estão passando em razão do fechamento de seus negócios.

Pirão, Leomar e Lucas, proprietários de casas de farinha

O deputado Francisco Lima, que conduziu a audiência, destacou que o objetivo do encontro foi reunir todos os seguimentos impactados com o fechamento das casas de farinha nos três estados, buscando através do dialogo uma solução para o problema. “Estamos aqui hoje para ouvir e a partir daí encontramos uma solução deste serio problema que é o fechamento destas casas de farinha. Vou levar todo o resultado desta discursão para a Assembleia Legislativa no sentido de que possamos intermediar uma saída. Não dá para achar que a solução é a interdição, a solução é contornar as dificuldades que existem e sair mais fortalecida toda esta cadeia da mandiocultura aqui nesta região”, disse o parlamentar.

Deputado Limma conduziu audiência

Já o deputado estadual Pablo Santos assegurou seu compromisso de está defendendo a classe trabalhadora que desenvolve a cadeia produtiva no município. De acordo com ele o fechamento das casas de mandioca não compromete somente os trabalhadores do setor, mas todo o comércio local, pois depende da renda de muitos destes trabalhadores.

Pablo Santos reafirmou compromisso de lutar a favor dos produtores

Em entrevista a nossa reportagem, o prefeito Chico Pitu, anfitrião do encontro, disse que a intenção é chegar a um entendimento com a Justiça do Trabalho e o Ministério da Economia, no sentido de que possam voltar a produzir farinha. “Marcolândia tem 28 casas de farinha e no distrito de Pernambuco tem mais 12, então são 40 casas que estão paradas, o que está gerando grandes prejuízos. Precisamos encontrar uma saída para que nossos produtores e trabalhadores tenham esta fonte de renda garantida”, disse o gestor.

Prefeito destacou importancia da audiência

De acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Reginaldo Sousa, está faltando uma aproximação dos órgãos fiscalizadores em fazer um trabalho de orientação, de operação com as pessoas que trabalham com o beneficiamento da mandioca. “A nossa mandioca é um produto de subsistência, onde todos precisam dela. Nos sentimos de certa forma lesados, quando vimos o Ministério Público do Trabalho, dizer que aqui existe trabalho escravo. Conheço todo o trabalho desenvolvido aqui e posso afirmar que não é verdade, temos sim um trabalho de cooperação, onde as pessoas trabalham por produção, hoje em uma casa de farinha, amanhã em outra, sem vínculo algum, pois a realidade é que nossa economia não dá para manter o funcionário com carteira assinada”, ressaltou.

Reginaldo Sousa, secretário

A senhora Vanusa, raspadeira de mandioca de uma das casas de farinha, foi uma das que manifestou sua indignação com a situação. “Sou raspadeira de mandioca e é daqui que sempre tirei o sustento de minha família. Se estas casas não abrirem mais iremos passar fome”, desabafou.

Raspadeira de mandioca, Vanusa

Participaram também do encontro o deputado estadual pelo Pernambuco, Antônio Fernando e os prefeitos Zé Ulisses (Simões), João Vianney (Caldeirão Grande), Rondilson (Salitre – CE), além de representantes de municípios dos estados do Piauí, Pernambuco e Ceará.

Prefeitos estiveram presentes

Câmara de Vereadores ficou pequena para tanta gente

 

Comentários

Comentar
Nenhum comentario realizado para esta materia
 
  • Diretor Proprietário
    Edson de Sousa Costa
  • Repórteres
    Edson Costa
    Jailson Dias
    Paula Monise
  • Revisão
    Equipe
  • Departamento Comercial
    Edson Costa
  • Folhaatual.com.br - Rua Coelho Rodrigues, 403 - 2º Andar - Centro - Picos - Piauí - Fone: (89) 3422-6652
  • Diretor Proprietário
    Edson de Sousa Costa
  • Repórteres
    Edson Costa
    Jailson Dias
    Paula Monise
  • Revisão
    Equipe
  • Departamento Comercial
    Edson Costa
  • Folhaatual.com.br - Rua Coelho Rodrigues, 403 - 2º Andar - Centro - Picos - Piauí - Fone: (89) 3422-6652